domingo, 30 de janeiro de 2011

Acorde afogado!


E ... se, todas as pessoas que você vê ao seu redor estivessem mortas?Quando caminha nas ruas, aquelas pessoas que esbarram em você estão todas, mortas, putrefatas além leito terreno! Sabe aquela pessoa que você beijou ontem?Está morta! Toda a saliva trocada com tal pessoa é apenas um muco sem vida, sem cor, viscoso e ácido! Todos os seus poros estão vazios, frios e inertes! Sim, acredite é verdade! Aquela vagina que você penetrou ou que você deixou penetrar, está seca, dolorida, vazia, sem lubrificação e sem vida! Sim, se teve orgasmos, espasmos... saiba que foi em vão, seu corpo não sentes nada, suas entranhas estão sendo ingeridas por vermes, neste exato momento!

Tais vermes que habitaram sua boca durante anos, bactérias que foram adquiridas por ações sexuais ou não, habitam agora todos os seus órgãos internos, e acabaram se tornando seus vermes bastardos!

Não quero imaginar a sua dor psíquica em saber que o que lê agora, é apenas uma velha lembrança vaga, idiota de sua vida! Vida tão cheia de aderente tédio entre o espaço que existia nos seus dentes! Que fome sente? Fome do que exatamente? Chega em um bar pede uma bebida, e deixe-a escorregar por sua garganta, e eu zombo de seu corpo estar morto! Sim, há ainda esta lembrança do gosto amargo e liquido que sua língua mediu como os sete palmos que estão te impedindo de se libertar!

Vá caminhe, corra e respire, por que isso, é apenas uma ação de sua mente, agora morta!

Aquelas pessoas que te olham pelas janelas, estão vivas, e você morto para elas, se entretêm em saber se está nu, se está trepando, o que você come/ingeri, mesmo sabendo que você relativamente não existe para elas! Então posso sugerir que estão mortos dentro de você! Seus olhos já com as retinas cegas, mal espelhadas e descontextualizadas, fora de foco, não enxergam nitidamente, e sim apenas vultos a sua volta! Vultos estes que são fantasmas, e você é um deles!

E se soubesse realmente que você está morto? O que faria? Nada, porque você vivido não fez muita coisa a vida toda, e agora morto, sendo um espectro, só consegue atravessar paredes, assombrar sua velha casa, e ir visitar seus entes queridos que estejam vivos pós-morte, podres abaixo da terra, lacrados por uma caixa de madeira! Aquelas pessoas que você vê nas fotos, são apenas péssimas lembranças, estão mortos! Você lê velhas noticias, porque são as mesmas de um jornal velho e do mesmo dia de 18 de setembro de 1921.

Seus gestos se repetem circularmente todos os dias, você apenas se recorda do que não consegue esquecer, lembranças amargas, doloridas e remoídas, que você nunca perdoará, nem a si mesmo, por que perdoar, corpo sem vida, você não consegue mesmo!

Vá, acenda o cigarro e apague-o dentro do nariz, depois mastigue vidro sem os dentes caídos e então até quando resistirá ao pulso latente do vicio de nunca sentir dor física?

Em três segundos tais palavras lidas, nunca foram lidas, nem escritas!

3 comentários:

flor disse...

essa semana falei sobre morte com a mãe de uma amiga minha.
essa semana falei de perdão, esse foi mais difícil de comentar. eu sou orgulhosa para pouca coisa, sim, pouca coisa e perdoar certas pessoas é bem difícil pra mim. isso é estranho, mas ao mesmo tempo é bom ler algo assim, parece que estamos na sintonia e eu falando demais. rsrs

PS: gostei do flickr.

beijos

eliara disse...

É possível sair disso?
Olha, foi fantástico. E sabe o que eu acho? Que se houverem vivos aqui foi um grande engano, estão se fodendo por aí e deveriam sair. É o que digo.

Ei, sexo é uma comunicação. Se não há resposta nela, não é comunicação. Preciso nascer ne? Precisamos... Ou será que já vivi? Na infância? Quando fomos vivos?

eliara disse...

E de novo...
Penso que esse é o melhor texto seu que já li.

Abraço!